13 de dez de 2017

Turismo enogastronômico aos pés do Mont Ventoux

Vilarejo de La Roque-Alric e Dentelles de Montmirail

A Provença é uma região muito propícia ao turismo enogastronômico: são inúmeras rotas do vinho que percorrem os mais pitorescos vilarejos, sem falar na riqueza da gastronomia local. É um fato incontestável que a região é muito procurada durante a temporada estival, principalmente em função dos campos de lavanda. Mas acho que a melhor época para fazer turismo enogastronômico por aqui é no inverno. Quer jeito melhor de espantar o friozinho que com os pés perto de uma lareira ou cobertos por uma manta quente, e uma mesa farta em quitudes e regada à bom vinho provençal?

28 de nov de 2017

Dizer adeus sendo expatriado: lidar com a perda à distância




Morar fora é um exercício constante de desapego, de redefinição pessoal, de superação de desafios. Isso todo mundo que procura informação sobre a expatriação deve ter lido num ou noutro texto. Mas nem tudo é o glamour comumente difundido nas redes sociais através de fotos ou pequenos textos. "Sempre que nos despedimos de alguém, é potencialmente a última despedida." Essa frase me acompanha cada vez que arrumo as malas pra voltar do Brasil. O que mais me dói na hora de dizer adeus é saber que ela tem um grande fundo de verdade.

22 de set de 2017

Museu da lavanda de Coustellet


Certa vez fiz a seguinte pergunta no twitter (aproveita e segue lá @destinoprovence): "Qual palavra você associa à Provença" e grande parte das respostas foi: lavanda. Mas a plantinha perfumada símbolo da região tem seus dias de esplendor ao longo de pouco mais de um mês ao ano, e muitas vezes é preciso contar com a sorte pra conseguir que a temporada atrase ou adiante, em função da época em que se pretende viajar para cá. Em geral o mês de julho é garantia de contemplar os campos floridos e se deliciar com o perfume da lavanda que baila ao gosto da brisa ou do vento, em geral o mistral, que sopra forte por aqui cerca de cem dias ao ano. Mas nem todo mundo consegue programar uma viagem à Provença no período da floração da lavanda, então como fazer pra conhecer um pouco mais dessa beleza se a viagem acontece em outro período do ano? O Musée de la Lavande, em Coustellet, é um passeio delicioso* e cheio de informações ricas sobre a história da lavanda e de seu cultivo, assim como sua utilização em produtos com propriedades medicinais e aromáticas.

9 de jul de 2017

Siena e a "beleza divina" de sua catedral

Piazza del Campo, Siena

Depois de me encantar com Florença e seu calmo despertar antes de ter suas ruas tomadas por multidões de turistas, nos despedimos da capital do Renascimento e seguimos viagem rumo à Siena. Confesso que subestimei o tempo dedicado à cidade e acabamos por negligenciar sua beleza e seus atrativos culturais e históricos, pois não havia previsto pernoitar lá, o que foi uma pena. Assim, tivemos de nos contentar com apenas algumas horas pra percorrer as ruas da cidade, o que foi mais que suficiente para nos deixar com a certeza de, numa próxima visita à Toscana, garantirmos ao menos uma noite nessa cidade cheia de tradições e história interessantes.

1 de jul de 2017

Canadá, nosso roteiro de duas semanas

Vinte e sete de abril de dois mil e dezessete. O despertador toca antes das seis da manhã, mas eu já estava acordada. Tudo havia sido preparado nos dias que precederam esse momento. Nos restava tomar banho, nos vestir, comer e sair pro aeroporto. No caminho, enfrentaríamos uma pequena redução na velocidade da viagem em função de obras, mas isso já estava previsto, então incluimos a antecedência no momento de sair. Mas sempre tem contratempos de última hora, principalmente quando se viaja para longe, nosso caso, que fomos pro Canadá com bebê e cachorro. Eu estava preocupada por não ter conseguido fazer o checkin online. Mas chegamos no aeroporto a tempo e nos dirigimos ao guichê. E começou ali meu pior pesadelo de viajante...

Porteau Cove Provincial Park

24 de jun de 2017

Pernes-les-Fontaines

Pernes-les-Fontaines

 A charmosa cidade de Pernes-les-Fontaines fica a 7 kilômetros ao sul de Carpentras, e possui uma combinação na medida entre a calma de um vilarejo provençal com a riqueza do patrimônio medieval que ainda pode ser visto em pontos estratégicos da cidade, como ao longo das margens do rio Nesque, que atravessa a cidade. Cidade das quarentas e uma fontes, ou ainda, a pérola do condado, em referência ao Condado Venaissino, como era conhecida a região do entorno de Carpentras até o período da revolução francesa, quando essa região passou a integrar oficialmente o território francês. Os tempos contadinos marcaram profundamente a história do lugar, e grande parte dessa influência pode ser vista ainda hoje através de manifestações culturais organizadas na cidade, e também por intermédio da preservação da memória, em especial vestimentária, que pude visitar quando estive na cidade em dezembro de 2016, na ocasião de uma viagem organizada pelo Office de Tourisme de Carpentras para conhecer as tradições natalinas da região do Ventoux*.

31 de mai de 2017

Saint-Paul de Mausole, a clínica onde Van Gogh ficou internado


No fim de uma tarde ensolarada de maio de 2016, depois de um passeio pelas ruínas romanas de Glanum, um impressionante sítio arqueológico localizado nas portas da cidade de Saint-Rémy de Provence, nos dirigimos ao antigo monastério que hoje abriga uma instituição psiquiátrica de renome na região provençal: Saint Paul de Mausole. Essa foi uma visita que quis fazer durante anos, mas sempre me disse que talvez devesse esperar um momento oportuno, talvez uma visita especial, pois sempre guardo um passeio inédito pra fazer quando recebemos visitas aqui. Eu quis levar alguns hóspedes, mas a época que eles vieram o acesso ao espaço do Centro Cultural da clínica psiquiátrica Saint Paul de Mausole estava fechado para visitação. A ocasião veio então com a vinda da minha cunhada, sua primeira vez nos visitando, ela que, como eu, é psicóloga, e ainda se aventurou pelos domínios maravilhosos das artes plásticas.

31 de mar de 2017

Bambouseraie d'Anduze: um jardim oriental na Provença



Tenho uma vizinha que sempre que me vê chegando ou saindo vem trocar umas ideias, é uma senhora de idade que não consigo definir, uns sessenta anos talvez, e que mora sozinha. Originária da região da Picardia, mais precisamente da cidade de Chantilly, ela é dessas que adora contar um caso, e eu sou dessas que sempre que posso empresto meus ouvidos e atenção. Invariavelmente, os casos são sobre passeios que ela faz na região, e um dos lugares visitados foi descrito com tamanha paixão, riqueza de detalhes e fotos que ela me mostrou com tanto carinho que despertou em mim o desejo de conhecer, não só pela beleza vista nas imagens, mas pela singularidade do lugar: um jardim oriental em plena Provença. Trata-se da Bambouseraie d'Anduze, um imenso bambuzal cultivado a poucos quilômetros da cidade de Nîmes, na região vizinha Languedoc-Roussillon.