14 de out de 2012

Sacola de feira


Quando criança, e durante anos à fio, meus avós mantiveram uma rotina aos sábados que lhes era cara e um tanto sagrada. Acordavam cedo, preparavam o café da manhã - meu avô tinha uma predileção em degustar iguarias que ele mesmo inventava, e aos sábados de manhã ele preparava um mingau esquisito mas bem gostoso que levava farinha de milho, queijo canastra, um pouco de café, noz moscada e outros ingredientes dos quais não me lembro – e depois de devidamente arrumados – minha avó impecavelmente bem vestida, maquiada e cheia de acessórios, tudo harmoniosamente escolhido, sempre recebia elogios por onde passava – colocavam a sacola de feira e o carrinho no porta-malas do carro e saíam em direção ao Mercado Central, em Belo Horizonte. E eu, enquanto criança que deveria ficar sob a supervisão de adultos, os acompanhava, pois minha mãe trabalhava aos sábados e o lindo do meu irmão (dizem que os caçulas são mais sociáveis e confirmo, meu nível de sociabilidade é de uma ostra comparado ao do meu irmão, 5 anos mais novo), arroz doce de festinha desde o berçário, sempre ia pra casa de algum coleguinha. Tudo bem, exagero um pouco, não ia com eles todo santo sábado, mas me lembro de ter ido com certa frequência e de achar o passeio um tanto... chato.


Claro que, do auge da minha criancice, eu não entendia a dimensão do que meus avós, sem portanto me dizer palavra do assunto, estavam a me ensinar, e não sei bem ao certo se eles mesmos tenham consciência de que me ensinavam algo. Lá ia eu, achando o programa de sábado a coisa mais entediante do mundo, enquanto os dois enchiam seu carrinho de compras e renovavam os assuntos com cada um dos feirantes. Porque, além de comprar os legumes, temperos e outros produtos, eles conheciam cada um e tinham que colocar o assunto da semana em dia, pro meu desespero. Terminada a rodada no mercado, onde eram comprados legumes, frutas e biscoitos (nessa hora eu bem que me alegrava, ajudava minha avó a escolher e tinha privilégios neste quesito) e tantos outros produtos, chegava a hora do almoço, em algum restaurante na região central de Belo Horizonte. Depois disso, na volta pra casa, se algum produto que não pudesse ter sido comprado no mercado faltava, era no supermercadinho do bairro que eles paravam, onde também conheciam os caixas, o gerente, os donos do estabelecimento. Claro que durante minha adolescência, já morando na casa dos avós, minha participação nesse ritual se restringia em ajuda-los à tirar as compras do carro e guarda-las na dispensa. E tão logo comecei a trabalhar e comprar meus próprios quitudes praticamente semi-prontos : legumes devidamente picados e empacotados à vácuo, dentre outras coisas. E então, me mudei pra França. Não foi a mudança de país que me fez mudar de perspectiva, foi a mudança de posição, deixamos de encontrar tudo devidamente escolhido e organizado na geladeira/dispensa e passamos à ser eu e Bernardo os responsáveis por abastecer nossa dispensa e geladeira com aquilo que escolhemos – não, pacotes de biscoitos com recheios de todos os sabores não pulam das prateleiras e diretamente pro nosso carrinho de supermercado.


E dia desses, numa daquelas coincidências que o acaso nos proporciona, estacionei minha bicicleta no centro, resolvi minhas pendências e quando voltei até meu meio de transporte me vi no meio da feira, cercada por legumes, frutas, verduras, e todos aqueles produtos que meus avós iam buscar no mercado central (todos não, porque os regionalismos impõem certas barreiras). E já que eu estava ali, no meio da feira, com tempo pra matar, decidir dar uma olhada. E sai de lá com a sacola cheia de legumes que precisava em casa – e beterrabas cruas, coisa que não encontrava nos supermercados daqui, só as cozidas, vai saber porque – além de bananas. As bananas foram o momento mágico do dia : escolhi uma penca, entreguei ao feirante, que pesou e me informou o preço, e antes de me entregar a sacola, colocou mais meia penca lá dentro, « pela sua gentileza ». Isso porque eu disse « Bonjour » duas vezes a ele : uma quando parei a bicicleta e passei por lá, outra quando fui escolher minhas frutas. Nesse momento eu entendi os motivos dos meus avós preferirem ir ao mercado central aos sábados : num supermercado, os atendentes, por mais educados que sejam, não podem nos fazer agrados e arredondar um valor pra baixo, nem nos oferecer produtos a mais. 

Voltei pra casa pensando sobre o feirante das bananas e o feirante das batatas e beterrabas (que arredondou pra baixo o valor), e também nos meus avós, que estão lá na minha Belo Horizonte e que não lêem este blog. Talvez sem querer, certamente sem dizer, o que eles me mostravam durante minha infância, nesse momento que hoje parece ter sido tão banalizado e às vezes relegado a um nível tão incômodo que temos a opção de delegar a outrem a atividade (quase todo supermercado tem o serviço de entrega em domicílio), o que os « velhinhos » me mostravam e eu só fui perceber agora, é que devemos cultivar os pequenos prazeres da vida. Não condeno os legumes picados e embalados à vacuo, nem os serviços que dispensam a presença no supermercado, pelo contrário. Mas a que ponto aquilo que dizemos simplificar nossa vida acaba por nos privar justamente da simplicidade das coisas? E agora, anos depois de vivenciar esse ritual, a mensagem chegou ao destinatário. Lá na minha infância, tudo que meus avós queriam me dizer, talvez de forma inconsciente, era pra eu não me privar dos pequenos prazeres da vida. Ainda não comprei minha sacola de feira nem meu carrinho de compras, mas tenho a cestinha da bicicleta pra encher com os legumes, verduras e frutas que escolho com calma, aproveitando pra me deliciar com o perfume de tudo que se encontra por lá. Os temperos são minha atração preferida na feira: é só fechar os olhos e tenho de novo 9 anos, estou de mãos dadas com minha avó que conversa com o feirante, enquanto meu avô pede a noz moscada pra temperar seu mingau do próximo sábado. 










4 comentários:

  1. Natalia, que post lindo menina. Nossa, maravilhoso e muito emocionante.

    Apesar de não ser mineiro de registro, cresci e tenho muito orgulho de ter vivido em Minas. Assim como na sua família, quem tentou "cultivar" esse hábito de frequentar feiras-livres foram meus avós na época que eu ainda morava no interior de SP. Entre o chato de acordar cedo para ir à feira, e os momentos agradáveis, para mim o melhor do passeio era quando passávamos na banca do “Seu Japonês” para comer pastel de carne sem azeitona (eu era um menino muito chato para comer nessa época, tinha que ser sem azeitona mesmo) e beber um guaraná Arco-Íris (Cutuba), bem parecido com o também gostoso guaraná Mineiro.

    Eu sai de casa há algum tempo, entretanto, assim como você, somente aqui na França (por outros motivos que vão muito além da mudança de país) essa rotina tomou um sentido diferente para mim e minha esposa.

    Desde quando chegamos a Grenoble e fomos apresentados a uma feira-livre, nós nunca mais faltamos isso foi ainda no primeiro mês, ao ponto de irmos com chuva, ou até quando um de nós estava doente o outro ia sozinho. Estamos sempre na feira-livre d’Estacade.

    Hoje, muito menos chato do que quando criança, além tentarmos desenvolver um rotina alimentar mais saudável, experimentamos praticamente tudo o que a feira e cultura francesa nos oferecem, sem preconceito e sem medo.

    Foi realmente muito bom ler o seu post, parabéns.

    Tenham uma boa semana.
    Arthur.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esses passeios sempre têm um lado chatinho, mas acho que a parte boa prevalece, né? No seu caso a recompensa era o pastel, eu tinha o privilégio de escolher as guloseimas que a vovó iria ter durante a semana, e ainda almoçar em restaurantes sempre muito bons com eles!

      Boa semana pra vocês também!

      Excluir
  2. Adorei teu post (1) e fiquei pensando tb nos meus passeios na feira junto da Mamis. Inevitavel, né? Mas eu era uma criança chatérrima demais pra perceber a sutileza de uma feira-livre. A coisa so ficava boa no fim: eu sempre ganhava um pastel de queijo e outro de carne da Mamis como recompensa ao bom comportamento. Pra mim, os pasteis eram prêmios para qm teve q aturar duas horas em meio à legumes e frutas (a vantagem de morar em SP em dia de feira sao os pasteis..). Aqui na França ainda recorremos aos embalados à vacuo e aos sucos de caixinha na maior parte do tempo, algo q lamento quase chorando.

    Tua vovo e vovô nao acessam o blog. Mas nao deixe de contar para eles sobre esta super experiência. Eles ficarao felizes!

    Adorei teu post (2)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico muito feliz quando vou à feira, mas fui essa criança que você descreveu, que ficava feliz com a recompensa no final... Antes de publicar eu avisei mamis e ela mostrou pra eles :)

      Excluir

Tem dúvidas, sugestões ou informações complementares? Este é seu espaço! Sua dúvida pode ser a de outros, e suas sugestões certamente ajudarão outros leitores!
Comentários sem relação ao post, links de propaganda ou conteúdo ofensivos não serão publicados.