19 de mai de 2014

Fundação Vasarely e a arte ótica e cinética



Aix-en-Provence é conhecida como a cidade das águas, mas também como cidade das artes, e isso pode ser visto sem grande dificuldade pelas ruas da cidade: são várias galerias de arte instaladas ao longo do Cours Mirabeau e pelas ruelas do centro histórico, e em sua maioria podem ser visitadas gratuitamente, e a visita é recomendada pra todos os amantes de arte. Aproveitamos o fim de semana especial dos museus - sábado com a Noite Europeia dos Museus e domingo com o Dia Mundial dos Museus, 18 de maio - e programamos a visita de sábado pra conhecer a Fundação Vasarely, que fica do ladinho de casa, e foi uma agradável descoberta depois de 4 anos morando na cidade.

Victor Vasarely foi um artista franco-húngaro que frequentou em Budapeste a escola Muhëly, conhecida como a Bauhaus húngara, e se lançou na arte abstrata. Aos 24 anos, ele se instala em Paris acompanhando o movimento de muitos de seus compatriotas no período, num contexto em que o governo associava os estilos vanguardistas aos movimentos políticos progressistas. Na capital francesa, ele desenvolve trabalhos em arte gráfica que marcam o início da sua carreira artística, e uma sucessão de estudos em torno das cores, das linhas e formas podem ser encontrados no todo de sua obra. O trabalho na indústria gráfica também influenciou sua forma de conceber e de compartilhar a arte: Vasarely buscou ao longo de toda sua carreira democratizar a arte, e o projeto de arte comunitária, social e acessível à todos fez com que suas criações fossem concebidas de modo a serem reproduzidas em larga escala. O sonho de Vasarely era criar uma "cidade policromática da felicidade", e ele lança assim as bases da fundação que leva seu nome, em 1966.

Em 1976 o projeto ganha forma, cores e endereço: Aix-en-Provence foi escolhida para abrigar o sonho do artista. O edifício da Fundação Vasarely evoca uma colmeia de abelhas, com hexágonos colados uns aos outros. A proposta da "nova cidade geométrica policromática e solar" ganha corpo no bairro que estava em expansão na época, Jas de Bouffan. O terreno escolhido fica próximo ao acesso da entrada oeste da cidade e dispõe de uma vista privilegiada pra montanha Sainte Victoire. Mas o sonho de Vasarely sofre com os efeitos do tempo: a fundação é iniciativa privada, e o edifício necessita de restauração que a renda obtida com os valores das entradas e lucro da boutique não consegue custear. Os trabalhos iniciados recentemente ainda vão durar por alguns meses e visam reforçar a vedação do teto e janelas, e restabelecer o funcionamento do sistema de climatização para o verão e inverno. 

Por causa dos trabalhos, foi uma agradável surpresa saber que a fundação abriria suas portas durante a Noite dos Museus, e não fomos os únicos a optar por passar algumas horas ali. Além do acervo permanente disposto nas grandes salas, a visita também consiste em exposições temporárias - a exposição atual é justamente sobre o tema "Tempo" - além de uma área dedicada aos trabalhos de elaboração dos projetos de Vasarely. Mas a grande vedete mesmo são seus imensos painéis: fundo e forma, policromia e geometria, o artista se empenhou arduamente na democratização da arte e perseguiu com dedicação a ideia de que o olhar dá vida à obra. Lançando as bases do movimento de Arte Ótica, Vasarely nos convida à interagir visualmente com o objeto diante dos nossos olhos, e a quebrar a estática da obra, conferindo a cada uma de suas criações detalhes que as conferem movimento, a arte cinética. A disposição das obras nas salas hexagonais convida o visitante à percorrê-las sem deixar de apreciar os painéis, e observando ao mesmo tempo o movimento que nosso olhar imprime aos mesmos.

O hexágono é uma forma que virou tema da série "homenagem ao hexágono" (assim mesmo, em minúsculas nas explicações da fundação), e o tema me fez pensar que talvez seria uma forma do artista homenagear seu país de adoção, uma vez que "hexágono" é sinédoque usada para se referir à França. Mas isso sou eu com meus botões, então retornemos à visita com as imagens e vídeo abaixo. Vale reservar um tempinho pra prestigiar a obra do "pai da Op art".

Informações práticas:
Fundação Vasarely
1, Avenue Marcel Pagnol - Jas de Bouffan, 13090 Aix-en-Provence
Horário de funcionamento: de terça-feira à domingo, 10h às 13h e 14h às 18h. Aberto nos feriados.
Tarifas: adultos 9€, reduzida (7 a 26 anos) 6€, infantil (3 a 6 anos) 4€, grupos de adultos 6€ por pessoa (máximo de 15 pessoas).
Estacionamento gratuito no local. 
Ônibus: linha 2 (Bouffan/Poste) parada Vasarely

Veja aqui as melhores opções de *hospedagem em Aix-en-Provence* e faça sua reserva pelas melhores tarifas! 
Você nos ajuda a manter o blog, que recebe uma pequena comissão, sem interferir no valor final da sua tarifa! Usou nossas dicas pra preparar sua viagem? Essa é uma excelente forma de retribuir!



"O tempo passa. E cada vez que o tempo passa, há algo que se apaga", Nadine Grenier










Nenhum comentário:

Postar um comentário

Estarei de férias no período de 27/04/2017 a 12/05/2017, os comentários feitos nesse período podem demorar mais que o normal para serem respondidos.

Tem dúvidas, sugestões ou informações complementares? Este é seu espaço! Sua dúvida pode ser a de outros, e suas sugestões certamente ajudarão outros leitores!
Comentários sem relação ao post, links de propaganda ou conteúdo ofensivos não serão publicados.