21 de mar de 2017

Carpentras: degustando as autênticas delícias provençais

Se tem uma atividade pela qual me descobri apaixonada desde que me mudei pra cá é cozinhar. Ainda no Brasil eu cozinhava umas coisinhas pra mim, mas sempre tinha comida pronta em casa, então não era algo que precisava fazer diariamente. Com a mudança pra França virou uma atividade cotidiana, e ao longo dos anos o paladar mudou, e aprendi muito, mas muito mesmo tanto em termos de técnicas como vocabulário, afinal durante meu primeiro ano aqui eu passei praticamente quatro meses sem estudar francês em escola, aprendendo na raça o idioma de Molière - e graças aos programas de culinária, aprendi duplamente. Aprendi também que a escolha dos produtos é crucial pra obter uma refeição saborosa, e as idas à feira ficaram cada mais frequentes, a ponto de conhecer os feirantes, trocar ideias, ouvir dicas de preparação. Nada como sentir o cheiro e poder degustar antes de trazer pra casa, e isso é algo extremamente normal e valorizado aqui.

Feirantes em frente à Prefeitura de Carpentras

A região da Provença tem uma riqueza enogastronômica muito perfumada e leve, cheia de sabores e deliciosas combinações. Durante os meses da primavera e verão as feiras são um espetáculo de cores e aromas, e valem a visita mesmo quando se está de passagem por aqui, sem ter uma cozinha pra preparar uma refeição. Mas mesmo durante o inverno, quando a oferta de legumes e frutas da estação é menor, temos excelentes opções de produtos típicos, pratos e harmonizações pra acalentar a fome e espantar o friozinho. Uma das feiras mais impressionantes que visitei na região foi a de Carpentras, conhecida como uma das "feiras excepcionais" da Provença, assim como a feira de Isle-sur-la-Sorgue.

Além da feira que ocupa boa parte do centro da cidade todas as sextas-feiras pela manhã Carpentras também é conhecida pelo comércio das famosas trufas, uma iguaria vendida a preço variado que é determinado na abertura do mercado do dia. Quando estive na cidade a convite do Office du Tourisme Carpentras Ventoux*, em dezembro de 2016, pouco antes do Natal, os preços da trufa estavam no seu valor máximo, algo em torno dos 1000 euros o kilo. As trufas de inverno são uma preciosidade que dão um toque de sofisticação e um sabor inigualável aos pratos natalinos, mas nem sempre o orçamento da época combina com os preços festivos da iguaria, então o conselho dos chefs é para esperar a passagem do período do pico da cotação da trufa, ou procurar restaurantes que ofereçam pratos elaborados em torno do cogumelo, além de produtos desenvolvidos com trufas, como mel de trufas por exemplo (com pedaços de trufas dentro, um sabor bem marcante, delicioso pra degustar com queijo de cabra).

Vigier Auguste fromagerie

Depois de um passeio pela feira de Carpentras fomos nos encontrar com a fromagère Claudine Vigier, que nos recebeu no estabelecimento da família e compartilhou conosco sua paixão pela profissão que seu pai exercera antes dela. Conversa vai, conversa vem, entre os vários queijos que ela apresenta em sou boutique e a explicação em torno de suas criações, falei sobre o queijo Canastra, das minhas Minas Gerais, e quase não contive as lágrimas quando ela teceu uma infinidade de elogios ao nosso queijim, falando inclusive do prêmio recebido no Mundial do Queijo em Tours em 2015, quando o queijo produzido em São Roque de Minas levou a medalha de prata pra iguaria de nossas montanhas.

Claudine nos contou sobre seu trabalho como produtora de queijos e falou também da organização de viagens de vivência da produção de queijos na Suíça, e encerramos a visita com delicioso presente :uma seleção de queijos, salames e presuntos que degustamos na hora do almoço no local do Office du Tourisme da cidade, onde apreciamos na entrada uma brouillade à la truffe (ovos mexidos com trufa), tudo harmonizado com vinhos da região do Ventoux. Pra adoçar o paladar, finalizamos a degustação com deliciosas nougatines, uma criação dos irmãos Silvain, que tem uma boutique e fábrica dos conhecidos nougats provençais na cidade de Saint-Didier, próxima a Carpentras, e em seguida fomos conhecer o processo de fabricação dos doces.

Espaço dedicado aos produtos locais no Office du Tourisme Carpentras Ventoux

Saint-Didier e a visita à Nougats Silvain

Cerca de 8 kilômetros separam Carpentras do pacato vilarejo de Saint-Didier, onde os irmãos Silvain instalaram em 2002 sua fábrica e boutique de venda de nougats artesanais, mas a história do trabalho da família em torno desse delicioso doce provençal data de antes, quando os irmãos resolveram abandonar o cultivo de uvas e partir pro plantio de amendoeiras e produção dos nougats, seguindo a receita da avó. O nougat é um doce tipicamente provençal, feito à base de mel e amêndoas para a receita do nougat preto, e com claras de ovos para o nougat branco. Ambos são servidos durante as festas natalinas e compõem uma das treze sobremesas típicas da ceia de natal provençal. Além dos nougat, os irmãos Silvain desenvolveram também uma receita própria, que a assinatura da boutique, a nougatine, que tem como característica o fato de os grãos de amêndoa serem finamente moídos, ao contrário do que é feito com o nougat, onde as amêndoas torradas são usadas inteiras e misturadas ao mel.


Endereço: 4 Chemin Neuf, 84210 Saint Didier
Horários: todos os dias de 10h-12h e 14h às 18h. Fechado às segundas-feiras.

Boutique Nougats Silvain em Saint Didier

Nougatine sendo colocada na fôrma

Nougatine sendo resfriada


Frutas cristalizadas e chocolates da Maison Jouvaud 

Outra presença certa na mesa provençal de sobremesas natalinas são as tradicionais frutas cristalizadas, e as frutas que tive a oportunidade de degustar na Maison Jouvaud valem cada centavo de euro e são de comer de joelhos. Não sou fã de doces, então foi com certo receio que dei minha primeira mordida, mas fiquei agradavelmente surpresa ao sentir o sabor da fruta, inclusive a acidez do morango, durante a degustação. O processo de cristalização é longo e consiste em substituir gradativamente a água da fruta por açúcar, e são necessários cerca de quarenta banhos para obter o produto comercializado, que não tem nenhum conservante - as frutas inclusive podem ter alteração de cor, como acontece com os morangos, que ficam bem escuros ao longo do processo, mas o sabor é inteiramente conservado. Além das frutas cristalizadas, chocolates com nozes também fazem parte das treze sobremesas provençais e podem ser encontrados na Maison Jouvaud. Atualmente duas gerações da família trabalham na empresa fundada pelos avós, e o negócio encontro bastante sucesso e conta com lojas em Avignon, Isle-sur-la-Sorgue e no Japão!

Frutas cristalizadas artesanais

Chocolates especiais

Merengues


Reserve aqui sua hospedagem em Carpentras pelo Booking.com


* Viajei à Carpentras à convite do Office du Tourisme da cidade, mas os relatos da viagem refletem integralmente e exclusivamente minha opinião e vivência das atividades propostas. 

5 comentários:

  1. Nossa quantas delícias, também quero!!! Porque meu Deus fui ler esse post maravilhoso justo na hora do almoço...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hora do almoço é sempre aquela pausa pra atualizar com leituras, né? Daí calhou de ser post sobre comida! Hahaha! Precisam voltar pra experimentar outros patês!

      Excluir
  2. E os morangos de Carpentras... Hummm, deliciosos! Nós provamos deles em Fontaine de Vaucluse onde uma produtora vendia dos seus por ali. Foi engraçado porque queríamos provar imediatamente e minha esposa, receosa, perguntou se tinha como lavá-los antes.... Ela fez uma cara espantada, nos olhou e disse: 'nunca vi falar de aluém que os tenha lavado anres pra comer..." O riso (e o constrangimento) foi geral!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Os melhores morangos! Ta chegando a festa do morango, to contando os dias! Eles são muito saborosos mesmo! No inicio também estranhava experimentar as frutas na feira sem lavar, mas hoje ja acho mega normal!

      Excluir
  3. Oi Natalia, tudo bem. Achei seu blog delicioso e peguei muitas dicas por aqui. Vou morar por três meses com meu marido e dois filhos em Aix em Provence e gostaria de saber se encontro na região curso de culinária francesa (não provençal) p iniciantes. Não cozinho nada, mas gostaria de aprender os pratos do dia a dia dos franceses, sou fluente em francês. Se tiveres alguma indicação, desde já agradeço.

    ResponderExcluir

Tem dúvidas, sugestões ou informações complementares? Este é seu espaço! Sua dúvida pode ser a de outros, e suas sugestões certamente ajudarão outros leitores!
Comentários sem relação ao post, links de propaganda ou conteúdo ofensivos não serão publicados.