3 de abr de 2013

Chegando no Panamá

Primeira imagem da Cidade do Panamá


Nossa viagem ao Panamá começou meses atrás, quando recebemos na nossa caixa de correios um envelope decorado com dois peixinhos que anunciava a data do casamento de um amigo de infância do Bernardo. Por que o Panamá? André é brasileiro, Linda é americana e o Panaé o meio do caminho, além de ser um lugar que os dois gostam muito e tem significado especial pro casal. E vamos combinar : Caribe é um lugar perfeito pra celebração de um casamento !


Reservamos uma semana pra nossa viagem, o que nos permitiu ficar três noites na Cidade do Panamá e quatro noites em Bocas del Toro, onde foi realizada a cerimônia. O tempo pra viagem teve de ser curto porque não coincidiu com as férias do mestrado, por isso não pudemos incluir outros destinos no Panamá, como San Blás, no nosso roteiro, e acho que poderíamos ter encurtado a estadia na Cidade do Panamá e aproveitado uma noite extra em Bocas, mas toda experiência é válida, e a margem foi boa porque se tivéssemos imprevistos, como atrasos na chegada dos voos, o roteiro não sofreria cortes grandes.

Os preparativos pra viagem foram tranquilos em termos burocráticos : verificamos junto à KLM a necessidade de apresentar carteira internacional de vacinação atestando a vacina contra febre amarela e estávamos dispensados deste requisito, acho que pelo fato de o voo ter origem na Europa – de qualquer forma, somos vacinados e como a orientação da companhia dispensava o documento, não providenciamos. No entanto, para passageiros que viagem do Brasil, este documento é exigido, e meus sogros viajaram com a documentação certinha mas não foram solicitados à apresentar o cartão durante a imigração no Panamá – de qualquer forma, vale viajar com a documentação certinha.

Chegamos na Cidade do Panamá no fim da tarde e o cansaço imperava, passamos pelas várias lojas do aeroporto Internacional Tocumen sem nem dar uma paradinha pra ver se algo poderia nos interessar e seguimos direto pra imigração, que ocorreu sem problemas : brasileiros não precisam de visto para ingressar no país, e o agente da imigração nos tratou de forma muito respeituosa e procedeu as formalidades de registro de impressões digitais, conferir documentos e checar datas de estadia. Em seguida fomos aguardar o transfer e seguimos pro hotel, que fica a 34km do aeroporto. Neste dia só saimos pra jantar no restaurante Bucanero que fica na Isla Flamenca, uma das três ilhas na baía que hoje são ligadas ao continente por uma estrada que proporciona uma bela vista noturna da orla da capital panamenha. No dia seguinte seguimos pro aeroporto de Albrook, de onde embarcamos para Bocas del Toro, deixando pra conhecer as atrações da Cidade do Panamá no final da viagem.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Tem dúvidas, sugestões ou informações complementares? Este é seu espaço! Sua dúvida pode ser a de outros, e suas sugestões certamente ajudarão outros leitores!
Comentários sem relação ao post, links de propaganda ou conteúdo ofensivos não serão publicados.