27 de set de 2014

Pont du Gard, patrimônio da humanidade na Provença


A região da Provença tem um patrimônio natural e histórico inestimável, e que vai muito além dos campos de lavanda que colorem e perfumam a região durante apenas um mês no verão. Grande parte dos monumentos da região constituem uma herança impressionante deixada pelos romanos na época que expandiram seu império até o sul da França, região que era conhecida então como "província romana" e que ficou mais tarde conhecida como Provença. Naquela época os romanos construiram grandes cidades às margens do rio Rhône (Ródano), como é o caso de Arles e Nîmes, e em ambas podemos ainda hoje testemunhar a potência que o império romano teve outrora. Esta última tinha grande importância na época, e no século I deu-se a construção de um imenso aqueduto para abastecê-la, tal qual Roma. Vale lembrar que Nîmes também conta com grandes monumentos romanos, sendo que sua arena - o coliseu provençal - é a mais preservada da Europa, e utilizada até hoje como palco de eventos e reconstituições de momentos históricos do período romano, como os Jogos Romanos (leia mais neste post).



Um pouco da história do Pont du Gard

O aqueduto em questão é um lugar excepcional e não fica muito longe de casa: o belíssimo Pont du Gard, o maior aqueduto romano do mundo, com 49 metros de altura. Além disso, é o único construído em seu estilo, em três níveis, que ainda pode ser visto atualmente. Ao longo de 5 séculos, o aqueduto transportou água para a cidade de Nîmes. Mas depois de 5 séculos, da queda do império romano e da chegada dos francos e visigotos à região da Provença o aqueduto deixou de ser utilizado, e aos poucos suas pedras foram usadas pelos habitantes para outras construções. Foi somente no século XIX que surgiu a preocupação com o estado do aqueduto, que corria sério risco de desabamento, e uma série de medidas foram pensadas para restaura-lo e preserva-lo, tudo isso sob a tutela da inspeção dos monumentos franceses. nos anos 1980 a Pont du Gard integrou a lista de patrimônio da Unesco, e nos anos 2000 os arredores do monumento ganharam infra-estrutura de recepção de visitantes, caminhos balizados e iluminação apropriada, de forma a facilitar o acesso dos visitantes e garantir a preservação do monumento e do entorno natural, constituído principalmente pela vegetação típica provençal, a garrigue.


A visita

Aproveitamos a visita de amigos, ocasião que tentamos incluir ao menos um destino que não conhecemos, e que coincidiu com o fim de semana do patrimônio na Europa pra conhecer este monumento. A ideia era chegar lá no fim do dia, pra aproveitar aquela luz maravilhosa do pôr do sol iluminando o aqueduto. Atravessamos a imensa planície da Camargue entre Arles, onde passamos a tarde, e Vers-Pont-du-Gard, percorrendo estradinhas ladeadas por vinhedos que ganham aos poucos os tons do outono, e cruzando pelo caminho charmosos vilarejos provençais. 

Depois de atravessarmos o vilarejo de Vers-Pont-du-Gard (porque fui lerda e esqueci de anotar as coordenadas de GPS do monumento), seguimos as placas indicando o acesso ao monumento, que pode ser feito tanto pela margem direita (rive droite) como pela margem esquerda (rive gauche), e em ambas as margens os estacionamentos dispõem de um grande número de vagas. O acesso é pago, seja à pé, de bicicleta ou de carro, mas a entrada durante as Journées Européennes du Patrimoine (os dias europeus do patrimônio) era gratuita. Estacionamos com facilidade, pois como já era fim do dia havia muitas vagas disponíveis, e nos dirigimos rapidamente pra ponte, pois o sol já começara a baixar no horizonte, e não queríamos perder o momento mais esperado do dia.

Ao sair do carro, apertei o passo pra não deixar escapar o momento em que os derradeiros raios de sol deixam a face oeste do aqueduto dourada. O horário de visitas no período estival é generoso e se extende de 7h30 até meia noite entre os meses de maio e setembro, mas como neste último mês o sol geralmente se põe por volta das 20h, minha pressa era justificada, pois havíamos chegado por volta de 19h, mas ainda conseguimos capturar o momento em que o sol baixa e se encontra dentro dos arcos, além de fazer uma pequena caminhada pela trilha que leva ao terceiro andar do aqueduto, por onde passava a água, e que pode ser visitada durante o verão - mas por conta do horário tardio da nossa ida, o acesso à canalização já estava fechado.

Atravessei a ponte até a margem direita, e cheguei a tempo de assistir o sol baixar no horizonte dentro dos arcos do segundo nível da ponte, o exato momento que eu tanto queria presenciar. Caminhei alguns metros e finalmente me vi diante da cena que imaginava quando escolhi o horário vespertino pra visita: o sol tingiu de dourado, depois de salmão, o aqueduto. Durante minutos, meus olhos contemplaram dois mil anos de um trabalho imponente e que hoje é um dos principais cartões postais da Provença. Claro que o Pont du Gard é a atração principal do parque, e ainda percorremos uma pequena trilha pra vê-lo do alto, mas a visita também pode se extender aos espaços organizados que contam a história do monumento, assim como a trilha de 1,4km "Memórias da garriga", um percurso de descoberta da vegetação local, além do espaço lúdico dedicado às crianças. Mas naquele dia, a dupla pôr do sol e aqueduto superaram em muito minhas expectativas, e o Pont du Gard é mais um monumento que vou incluir no roteirinho dos passeios com nossos próximos hóspedes.





Um excelente destino estival

Além do monumento em si, o parque em torno oferece diversas atrações aos visitantes, e pretendemos retornar durante a primavera pra percorrer as trilhas ao longo das Gorges du Gardon, o rio de águas habitualmente calmas e cristalinas, mas que por conta das chuvas recentes de fim de verão estava caudaloso e escuro, com avisos para não nos aproximarmos das margens por risco de cheias súbitas. Entretanto, ao longo do período estival é possível navegar de caiaque e aproveitar as praias ao longo do Gardon, e é comum os visitantes fazerem pique-nique por ali, ou ainda nas mesinhas ao abrigo do sol. O parque conta com lanchonete, sorveteria e restaurante, pra quem prefere dispensar o pique-nique. É durante o verão que a canalização romana do aqueduto pode ser visitada, com visitas guiadas em grupos organizados pelo parque, basta se inscrever na entrada nos horários disponíveis.

Quer se hospedar perto do Pont du Gard? Então reserve aqui seu *hotel em Avignon* ou veja as opções de *hospedagem em Nîmes* pelos melhores preços e com possibilidade de cancelameneto gratuito em caso de mudança de planos!

Informações práticas

Tarifas: de carro - 18€ para grupo de até 5 pessoas em um veículo
a pé ou de bicicleta - 10€ por pessoa ou 15€ para grupo de até 5 pessoas
de moto - 12€
tarifa reduzida: crianças, estudantes e portadores de necessidades especiais (apresentar justificativa na recepção) 3,50€ por pessoa ou 10€ veículo com até 5 pessoas

Horário de funcionamento
Janeiro, fevereiro, novembro e dezembro: 8h30 às 19h
Março, abril e outubro: 8h às 20h
Maio a setembro: 7h30 à meia noite

Distâncias entre Pont du Gard e:
  • Aix-en-Provence: 110km
  • Arles: 38km
  • Nîmes: 23km
  • Avignon: 25km
  • Montpellier: 81km

Leia mais sobre as cidades próximas ao Pont du Gard:





Nenhum comentário:

Postar um comentário

Tem dúvidas, sugestões ou informações complementares? Este é seu espaço! Sua dúvida pode ser a de outros, e suas sugestões certamente ajudarão outros leitores!
Comentários sem relação ao post, links de propaganda ou conteúdo ofensivos não serão publicados.