Pequeno guia de sobrevivência em restaurantes franceses

postado em: França, Receitas | 2

Viajar nos abre perspectivas que vão muito além do simples fato de visitar um lugar novo. Uma dessas perspectivas passa pelo paladar através dos pratos de culinária local. Mas o ato de se alimentar envolve também aspectos culturais que extrapolam a mera escolha do menu do dia. Conhecer alguns desses aspectos é essencial pra desfrutarmos de forma serena dos momentos de refeição. Se dentro do nosso próprio país temos diferenças de comportamento que variam se estamos em um bar ou num restaurante, podemos imaginar que em outro país outros códigos sociais entram em jogo. Neste post, vou te ajudar a decifrar os códigos culturais de uma ida a um restaurante francês pra que você tenha uma experiência agradável durante sua viagem !

Place des Troix Ormeaux, Aix-en-Provence

Horários pra almoço e jantar

Via de regra, os serviços nos restaurantes tem duração limitada e as cozinhas abrem pro almoço de meio-dia às 14h no mais tardar, e à partir de 19h pro jantar, e fecham por volta de 22h. Em alta temporada vale ficar atento ao horário do almoço ou jantar, pois os restaurantes nas cidades mais frequentadas podem ficar sem mesa num curto espaço de tempo, principalmente pro jantar. Neste caso, vale sempre optar pela reserva antecipada pra garantir que ao menos uma refeição principal seja bem feita. E é sempre bom ter opções de lanches rápidos caso o tempo seja curto ou a fome seja pouca : no centro de Aix-en-Provence é comum encontrar pizzas vendidas em pedaços, creperia e sanduíches nas padarias.

Veja aqui alguns restaurantes testados e aprovados em Aix-en-Provence

Escolhendo o restaurante

A primeira dica é meio óbvia, mas o que pode facilitar a escolha do restaurante é o menu. Sempre colocado de maneira visível na entrada, é bom consultar as opções do menu cotidiano e também o quadro com as opções do dia, todos com os preços indicados. Se o local recomendado tem opções que agradam a todos do grupo, vamos ao próximo passo !

 Os pratos do dia fait maison aqui de casa: peito de pato com laranjas cristalizadas e vagens, e lasanha bolonhesa caseira – inclusive a massa!

Esperar para sentar

Essa é uma regra de ouro não escrita : ao definir qual será o restaurante, vamos pra entrada e um atendente vai nos mostrar a mesa disponível – por mais que todas estejam vazias, são os funcionários que se encarregam de nos acompanhar, pois algumas podem estar reservadas, outras disponíveis para quem for consumir apenas bebidas, por exemplo.

Terrasse ou salle ?

Como passamos um bom período com pouca luminosidade durante meados de outono até meados do inverno, qualquer raio de sol que aparece é motivo pra gente correr e se estender feito calango pra aproveitar, principalmente na Provença, onde desfrutamos de uma média de 300 dias de sol por ano – sim, somos bem servidos e acabamos ficando mal acostumados, por isso qualquer nuvem no céu é sinal de apocalipse pra gente.
É comum optarmos pelas mesas no terraço dos restaurantes e bistrots, pra repor a vitamina D na hora da refeição. Mas há um inconveniente a se considerar: todos os fumantes também fazem essa opção, o que pode desagradar muita gente. Por isso, se fizer questão da mesa ao sol, saiba que o fumante não vai apagar o cigarro porque você não fuma – ele está em ambiente aberto, e está no direito dele. Seja você alérgico, gestante, ou com criança, se o cigarro realmente incomoda, escolha uma mesa no salão perto da janela onde tenha sol.

O cardápio e o pedido

Você escolheu sua mesa, já tem uma ideia do seu pedido porque deu uma espiada básica nos pratos do dia e no cardápio antes de entrar no restaurante, e está com o cardápio diante dos olhos, pronto pra levantar a mão e estalar os dedos pra chamar o garçon (serveur, em francês). Pois bem, por aqui, um gesto bem simples e eficaz para fazê-lo é: feche o cardápio. Não precisa de mais nada, ao ver os cardápios da mesa fechados diante dos clientes, o garçom vem anotar os pedidos. Se alguém à mesa deseja pedir somente a entrada, enquanto os demais pediram o prato, é só dizer ao garçom que pode servir todo o pedido junto, caso contrário ele trará a entrada antes do prato dos demais convives.

Pão pra limpar os molhos

Pão e água potável são servidos gratuitamente em todo restaurante. Os franceses tem o costume de acompanhar as principais refeições com fatias de baguette – o que explica as filas imensas em algumas padarias na hora do almoço – ou um pãozinho pequeno, chamado de pain serviette, “pão toalha” em tradução livre. Este pãozinho tem uma função bem simples : limpar o molho do prato. Existe até um verbo específico pra isso : saucer, em tradução literal é molhar, mas no sentido de limpar o molho do prato mesmo (sauce é molho). Os garçons mais atentos em geral trazem cestinhas de pão quando percebem que elas ficam vazias ao longo da refeição. Além de servir pra limpar o prato, o pão também acompanha os queijos, sevidos antes da sobremesa (ou como sobremesa pra quem não é fã de doces).

Cozimento da carne

Um aspecto importantíssimo da gastronômia francesa: em se tratando de bifes bovinos, o bem passado deles não é o mesmo bem passado brasileiro. Se não suporta ver um fiapo de sangue na carne, opte por peixe, porco, frango ou carne ensopada. E fuja do tartare – a carne ou peixe são crus. Os tipos de cozimento dos bifes franceses são:
bleu : praticamente cru, o bife é passado um minuto de cada lado, o famoso “boi berrando”;

saignant : mal passado, cerca de dois minutos pra cada lado;
à point : ao ponto, mas ainda é pouco rosado no interior
bien cuit : bem passado, com uma leve camada rosada no interior.

Os bifes são preparados em chapas muito quentes, o que garante o cozimento exterior e preserva o interior rosado, mesmo sendo bem passado. Os cortes mais espessos como a bavette, pavé ou entrecôte serão sempre vistos como mal passados por quem não gosta de nenhum vermelhinho na carne. A explicação deles é unânime: passado demais do ponto, o bife fica com consistência de borracha e a carne perde o gosto.

Steak tartare, um bife cru com gema de ovo crua por cima

Prato do dia ou entrada + prato + sobremesa

Em geral, no horário de almoço os restaurantes também oferecem o prato do dia, que é uma opção fora do cardápio regular pois são pratos elaborados com produtos sazonais, em função da criatividade dos cozinheiros e da oferta das feiras. O prato do dia é uma garantia de comida fresca, e as opções são geralmente muito interessantes, mas fica a dica : se quiser optar por um prato do dia, é bom se planejar pra chegar cedo, pois o número de pratos é contado uma vez que os ingredientes são calculados pra servir uma quantidade específica destas refeições. O preço do prato do dia também é interessante, por vezes fica abaixo do restante das opções do cardápio regular.

Outras opções são os menus combinados, seja o menu completo com entrada, prato e sobremesa, ou o menu entrada e prato ou prato e sobremesa. Algumas destas opções podem incluir bebida (uma taça de vinho ou mesmo o café) e os preços do menu são em geral mais baixos que se o pedido for feito com as opções separadas.

Para restaurantes gastronômicos os cozinheiros propõem um menu degustação, com pequenas porções de uma determinada quantidade de pratos – pode variar entre 3 a 8 pratos inclusos no menu desgustação, uma opção bastante interessante que nos permite conhecer os diversos pratos de um cardápio bem elaborado.

Opção do menu: vieiras com purê de batata doce

Bebidas

Alguns garçons propõem que o pedido das bebidas seja feito primeiro, como aperitivo. Neste caso, os sucos e cervejas, além de outros aperitivos locais podem ser uma boa opção quando se tem um pouco mais de tempo pra ficar no restaurante. Caso contrário, as bebidas podem ser servidas junto com os pratos. Para os vinhos as cartas trazem uma seleção de tintos, rosés e brancos em garrafas de 375ml, 500ml ou 750ml, e também a possibilidade de pedir o vinho da casa em taça individual, ¼ de jarro (pichet, se pronuncia pichê), meio jarro ou um jarro inteiro (as mesmas quantidades das garrafas).

Restaurante com crianças

Outra dica de sobrevivência em restaurantes franceses que é importante e comumente rodeada de clichêns: levar crianças. Uma ida a um restaurante na França é certamente um momento de aprendizado cultural, tanto pra quem visita o país e certamente pra quem aqui reside. Desde cedo as idas aos restaurantes fazem parte do cotidiano das crianças por aqui, cada família optando por lugares e horários que julguem adequados para suas crianças. Via de regra, grande parte dos restaurantes tem cadeiras adaptadas aos pequenos e menus infantis, mas o tamanho das porções pode ser muito grande pra crianças menores, ou as opções podem não agradar.

O menu infantil geralmente propõe um bife de hambúrger ou pedaços de frango empanado ou peixe empanado, acompanhados de batatas fritas – que podemos substituir por legumes – ou ainda macarrão à bolonhesa, com sobremesa e também uma bebida (suco ou xaropes com sabores de frutas).

Em alguns estabelecimentos há algum tipo de distração pras crianças : o jogo americano com desenho pra colorir e brincadeiras, e uma opção legal pra ajudar a passar o tempo é ter sempre um caderno e lápis de colorir à tiracolo, boas brincadeiras e atividades podem ajudar as crianças a se ocupar enquanto esperam os pratos chegarem.

 

A conta, s’il vous plaît

Ao fim da refeição o garçom vem recolher os pratos e, caso as sobremesas não tenham sido pedidas, ele pergunta se querem fazer os pedidos, e também pergunta se querem café. Por experiência, sempre peço a conta nesse momento, seja ao pedir o café, seja ao dispensa-lo, porque depois disso o garçom estará tão ocupado com as outras mesas que vai ser difícil fazê-lo voltar, a menos que o restaurante esteja lotado e ele precisa da mesa para outros clientes, ou que seja o fim do seu turno e ele precise fechar todas as mesas da sua área. Minha frase habitual é “le café et l’addition, s’il vous plaît” – o café e a conta, por favor. O serviço está incluso nos preços do cardápio, a gorjeta fica a critério do cliente.

 

E você, tem mais dicas e experiências pra contar pra gente? Compartilhe nos comentários!

2 Responses

  1. Milena F.

    Muito interessante esse resumo, realmente é muito útil e obrigada pela citação!
    Meu marido tb sempre me explicou que quanto menos opções no cardápio, melhor a qualidade dos pratos, significa que tudo é provavelmente fresquinho, pois um restaurante "normal" não tem condições de propor 10 entradas, 10 pratos e 10 sobremesas tudo feito na hora…

  2. Jefferson Araujo

    Olá Natalia, tudo bem?

    Estou viajando para a Provence, no dia 25/03, próxima semana e ficarei até o dia 05/04. Você poderia me dar umas dicas de lugares interessantes para conhecer e de restaurantes para ir??

    Bom… Vamos ficar alocados 4 dias em Aix-en-Provence, mas enquanto estivermos lá vamos passar o dia nas seguintes cidades: Marselha, Apt, Roussillon e Gordes e estou na dúvida se vá para Mostiers Santa Maria, pois ouvi falar em um restaurante que tem lá do chefe Alain Ducasse.

    Tem mais alguma cidade que você indique?

    Depois vamos de carro para Carcassonne, mas no caminho vamos parar em Avignon para conhecer. Ficaremos em Carcassonne 1 dia.

    Depois vamos para San Sebastian. A estrada passa por Toulouse. Você acha que vale a pena parar para conhecer? Em San Sebastian ficaremos 4 dias.

    Depois seguiremos para Bilbao, ficaremos 1 dia e voltamos para o Brasil!!!

    Fico aguardando suas dicas.

    Muito obrigado.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.