O que fazer com crianças durante a quarentena?

postado em: Vida na França | 0

Se me perguntassem tempos de extremas vinte anos atrás como eu me imaginaria vivendo dali vinte anos, certamente responderia qualquer outra coisa que não fosse “vivendo uma quarentena no fim de uma gravidez enquanto cuido de outra criança”. Não me imaginaria jamais como personagem de livros que li com certa angústia, como “A peste” de Albert Camus ou ainda “Ensaio sobre a cegueira” do genial José Saramago.

Mas esta é a realidade que estamos vivendo neste 17 de março de 2020, após a entrada em vigor de duras medidas de restrição de mobilidade anunciadas pelo governo francês como forma para conter a propagação da epidemia de covid-19, doença provocada pelo famigerado coronavírus.

Um parêntese surreal se abre no nosso cotidiano, um ruptura da realidade para qual não estamos preparados. Como preencher esse parêntese? Vou compartilhar aqui algumas das minhas estratégias, e deixo aberto o espaço de comentários para enriquecermos a lista de atividades que podemos fazer com crianças durante a quarentena que se anuncia longa.

Como funciona o confinamento na prática

Ao meio dia deste 17 de março de 2020, hora de Paris, todo o território francês, metrópole e departamentos de além-mar, entram num confinamento de no mínimo 15 dias. Somente serão autorizadas saídas para ir ao trabalho (quando não há possibilidade de trabalho remoto), razões de saúde (ir ao hospital ou consultas médicas de urgência), compras alimentares, praticar esporte ao ar livre sozinho, passear o cachorro. Tudo isso deve ser justificado por escrito pela pessoa que se encontra na rua, sob pena de multa de 135 euros.

Poucos comércios seguem abertos, os ditos comércios essenciais: mercados, farmácias, postos de combustível. No mais, tudo está fechado. Os transportes públicos terão sua capacidade drasticamente reduzida – pois trabalhadores essenciais para o funcionamento mínimo do país precisam se deslocar.

Nem todo mundo poderá fazer quarentena. Nem todo mundo que fará quarentena tem outra alternativa. Os primeiros afetados pela medida já sofrem a longo termo do isolamento social: idosos e pessoas com restrições de mobilidade física, doentes com restrições de locomoção.

O que fazer com crianças durante a quarentena?

Por aqui a situação não pegou ninguém de surpresa, mas é sempre um choque quando a situação passa da hipótese à realidade. Somos animais sociais. Pedir às crianças que se isolem é tão cruel quanto impedir os idosos de receber visitas, mas é uma decisão dura que visa proteger a todos. O fechamento das escolas também impôs aos pais uma carga suplementar: o que fazer com crianças durante uma quarentena que periga durar por, no mínimo, 15 dias?

Sinceridade ao abordar a realidade

É importante que as crianças saibam o que está acontecendo. Sinceridade e transparência devem ser a base da relação entre mãe/pai/cuidadores e seus filhos. Como figuras de apego, a criança se volta à elas em situações que as desnorteiam e que escapa ao seu entendimento.

Adaptar ao vocabulário à idade delas para explicar situação, o motivo das medidas de restrição e a importância de todos fazerem sua parte, colaborando para que tudo seja controlado rapidamente e as restrições sejam aos poucos revogadas.

Dedicar tempo a atividades juntos

Tempo é o bem mais precioso de que dispomos atualmente. De repente, nos vemos finalmente em controle quase total desse bem, mas perdidos com relação à forma como usá-lo, pois trata-se de uma situação à qual não estávamos nem um pouco preparados. Não é um período de férias. Não foi uma escolha pessoal se recolher – e muitos não puderam nem fazer tal recolhimento. No sábado 14 de março fomos à biblioteca e pegamos alguns livros antes do fechamento dela para o confinamento.

Algumas atividades:

  • Ler receitas e prepara-las juntos
  • Incluir a criança na participação de tarefas domésticas simples (levar roupa suja pro cesto, passar pano nos móveis, guardar talheres não cortantes)
  • Contar histórias
  • Jogos de tabuleiro
  • Desenhar juntos, criar histórias em quadrinhos (quando a criança não souber escrever, pedir pra ela ditar a história e anotar, deixar ela fazer os desenhos)
  • Dançar e criar coreografias inspiradas nos temas estudados na escola ou escolhidos pela criança
  • Preparar peças de teatro com os brinquedos, os dedos…

Rotina da casa

Forçados a ficar em casa, temos atividades do cotidiano que precisam ser feitas: limpeza da casa, roupas pra lavar, arrumar e guardar, cozinhar. Dá pra incluir a criança em várias dessas atividades, respeitando os limites da idade e estágios do desenvolvimento, e ela terá também oportunidade de integrar as tarefas de casa ativamente.

Por aqui, tão logo Vic conseguiu ficar de pé, ele tirava os talheres da máquina de lavar louça pra eu guardar (exceção de facas). Outra coisa que também começou a fazer foi passar pano nos móveis, aspirador e pano no chão. Colocar e tirar roupa da máquina de lavar, quando a abertura da mesma é frontal, é outra tarefa que os pequenos podem achar divertido.

Na cozinha, preparar massas de bolo ou pães são excelentes e ainda podemos mostrar as mudanças dos ingredientes separados, a massa sendo feita e o resultado final. Massa de pão, biscoito ou pão de queijo é tão divertida pra trabalhar quanto massinha, e ainda podemos brincar criando formas diferentes.

Internet em tempos de isolamento

Nestes tempos de quarentena, que o distanciamento seja físico para nossa proteção, mas que nos aproximemos socialmente graças às ferramentas que a tecnologia nos oferece. Por aqui usamos chamadas de vídeo para manter a proximidade com os avós no Brasil, o que tem sido muito positivo pois garante o contato entre eles e nos dá uma folga para fazermos outras tarefas enquanto ele escuta uma história lida pelas avós, por exemplo.

Trancados em casa 24h por dia?

O confinamento na França tem uma particularidade: temos uma autorização para saídas em casos específicos, como ir ao mercado ou farmácia, consultas médicas presenciais (alguns casos só podem ser consultas presenciais),  trabalho que não pode ser feito remotamente, passear com cachorro, atividade física no raio de 1km do domicílio e no limite de 1 hora por dia, e passear com crianças respeitando a mesma restrição de distância e tempo. Essas exceções devem ser justificadas por meio de uma declaração que preenchemos e assinamos.

Temos a sorte de morar em um condomínio com espaço verde e poder usar este espaço pra evitar sair na rua levando papeis e documentos. Temos o costume de levar Luna pra passear dentro do condomínio mesmo, e agora esse espaço vai ser mais usado como nosso quintal que em outros tempos.

E as tarefas da escola?

Confinamento não são férias, e a escola do Vic logo providenciou material pedagógico para as primeiras semanas, pois não temos a menor noção de quanto tempo ficaremos nesta situação de suspensão de todas as atividades do cotidiano. Recebemos o email da diretora logo cedo avisando que o material estaria disponível a partir de 17 de março na escola, e fui com Vic ainda pela manhã buscar, antes do confinamento entrar em vigor às 12h.

Como ele está na escola maternal, a orientação das professoras que entregaram o material foi: não forcem, deixem a criança escolher a atividade que quer fazer, e acompanhem de perto, algumas atividades precisam de orientação e atenção de adultos, enquanto outras eles já tem mais costume de realizar.

Além disso, a professora do Vic também salientou a importância de conversarmos com ele durante as saídas, de fazer receitas de comida juntos, como eles também fazem na escola, e de resistir à tentação de aumentar o tempo de contato com telas. Veremos como vão se desenrolar os próximos dias por aqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.