Fundação Vasarely e a arte ótica e cinética

postado em: Aix-en-Provence | 0

 

Aix-en-Provence é conhecida como a cidade das águas, mas também como cidade das artes, e isso pode ser visto sem grande dificuldade pelas ruas da cidade: são várias galerias de arte instaladas ao longo do Cours Mirabeau e pelas ruelas do centro histórico, e em sua maioria podem ser visitadas gratuitamente, e a visita é recomendada pra todos os amantes de arte. Quem chega na cidade vindo pela autoestrada de Avignon já deve ter visto um grande sinal em forma de V próximo à entrada da cidade. Este sinal foi criado por Victor Vasarely, artista expoente da Op Art ou Arte Cinética, tema das obras expostas na Fundação Vasarely.
Veja outros lugares para visitar em Aix-en-Provence:

A arte de Victor Vasarely

Victor Vasarely foi um artista franco-húngaro que frequentou em Budapeste a escola Muhëly, conhecida como a Bauhaus húngara, e se lançou na arte abstrata. Aos 24 anos, ele se instala em Paris acompanhando o movimento de muitos de seus compatriotas no período, num contexto em que o governo associava os estilos vanguardistas aos movimentos políticos progressistas. Na capital francesa, ele desenvolve trabalhos em arte gráfica que marcam o início da sua carreira artística, e uma sucessão de estudos em torno das cores, das linhas e formas podem ser encontrados no todo de sua obra.
O trabalho na indústria gráfica também influenciou sua forma de conceber e de compartilhar a arte: Vasarely buscou ao longo de toda sua carreira democratizar a arte, e o projeto de arte comunitária, social e acessível à todos fez com que suas criações fossem concebidas de modo a serem reproduzidas em larga escala. O sonho de Vasarely era criar uma “cidade policromática da felicidade”, e ele lança assim as bases da fundação que leva seu nome, em 1966.
Reserve aqui sua hospedagem em Aix-en-Provence perto da Fundação Vasarely

A cidade geométrica de Vasarely

Em 1976 o projeto ganha forma, cores e endereço: Aix-en-Provence foi escolhida para abrigar o sonho do artista. O edifício da Fundação Vasarely evoca uma colmeia de abelhas, com hexágonos colados uns aos outros. A proposta da “nova cidade geométrica policromática e solar” ganha corpo no bairro que estava em expansão na época, Jas de Bouffan. O terreno escolhido fica próximo ao acesso da entrada oeste da cidade e dispõe de uma vista privilegiada pra montanha Sainte Victoire. Além

Visitando a Fundação Vasarely

Além do acervo permanente disposto nas grandes salas, a visita também consiste em exposições temporárias – a exposição atual é justamente sobre o tema “Tempo” – além de uma área dedicada aos trabalhos de elaboração dos projetos de Vasarely. Mas a grande vedete mesmo são seus imensos painéis: fundo e forma, policromia e geometria, o artista se empenhou arduamente na democratização da arte e perseguiu com dedicação a ideia de que o olhar dá vida à obra.
Lançando as bases do movimento de Arte Ótica, Vasarely nos convida à interagir visualmente com o objeto diante dos nossos olhos, e a quebrar a estática da obra, conferindo a cada uma de suas criações detalhes que as conferem movimento, a arte cinética. A disposição das obras nas salas hexagonais convida o visitante à percorrê-las sem deixar de apreciar os painéis, e observando ao mesmo tempo o movimento que nosso olhar imprime aos mesmos.
O hexágono é uma forma que virou tema da série “homenagem ao hexágono” (assim mesmo, em minúsculas nas explicações da fundação), e o tema me fez pensar que talvez seria uma forma do artista homenagear seu país de adoção, uma vez que “hexágono” é sinédoque usada para se referir à França. Mas isso sou eu com meus botões, então retornemos à visita com as imagens e vídeo abaixo. Vale reservar um tempinho pra prestigiar a obra do “pai da Op art”.

Informações práticas:

1, Avenue Marcel Pagnol – Jas de Bouffan, 13090 Aix-en-Provence
Horário de funcionamento: diariamente de 10h às 18h. Aberto nos feriados, exceto 25/12 e 01/01.
Tarifas: adultos 12€, reduzida (7 a 26 anos) 9€, infantil (maiores de 5 anos) 5€
Estacionamento gratuito no local.
Ônibus: linha A, parada Vasarely

 

“O tempo passa. E cada vez que o tempo passa, há algo que se apaga”, Nadine Grenier

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.